Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #152
março de 2012
Índice da Edição 152
Casa Noturna
Capa
Operação de Vídeo
Iluminando
Final Cut
Vídeoclipe
Editorial
Direção de Fotografia
Destaque
Holofote
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
Casa Noturna: Barra Music
Casa noturna brilha na zona oeste do Rio de Janeiro
por Fernando Barros 11/03/2012
foto: Fernando Barros
NOVO OESTE

A história do Barra Music começou há três anos com um projeto de pesquisa de possíveis terrenos na área da Barra da Tijuca. "Apesar do crescimento nesta região da cidade, notamos que havia uma escassez no que dizia respeito ao nosso negócio, o negócio de entretenimento. Não no de shows, especificamente", revela Marcos Junior, diretor artístico da Sudeste Entretenimento.

Marcos conta que viajou por todo o Brasil a fim fazer uma ampla pesquisa sobre o que as principais casas noturnas tinham de melhor e de pior. "Foi assim que começou o projeto. Eu encontrei muitos locais com problema de ar-condicionado e no estacionamento, além de fila nos banheiros, pouco espaço nos camarotes e palcos pequenos. Então, a gente quis fazer uma casa onde nada disso fosse problema. Quisemos também uma estrutura de som e luz de ponta", afirma.

De lá pra cá, veio o inevitável trabalho de levantar a estrutura e colocar o projeto em prática. Os primeiros números já impressionam. A casa teve um investimento inicial de R$ 10 milhões. Sua área total possui 34 mil metros quadrados e tem capacidade para 6.500 pessoas, além de estacionamento para 1.400 veículos.

PARA O GRANDE PÚBLICO

A casa nasce com a ideia de ter uma programação fixa. Felizmente, sua estrutura também permite a construção de uma agenda de shows nacionais e internacionais, musicais e peças de teatro, que vão além da grade básica. "Já estamos trabalhando para fechar a agenda de shows com os mais variados estilos musicais, pois no Barra Music todos os gostos serão atendidos", garante Marcos Junior.

O diretor artístico ressalta ainda que o local não é uma casa de shows, mas sim uma casa noturna de grande porte. "Aqui é uma 'casa de balada' grande. Um local que pode ter programações certas. Por exemplo, quinta-feira é o dia do funk, sexta é o dia do samba, sábado é o dia de tocar todos os hits e na segunda-feira temos alguns shows de samba com Dudu Nobre, Rodriguinho, Bello, Alexandre Pires, Sorriso Maroto, entre muitos outros."

Os shows entram apenas pontuando o calendário da casa. Mesmo assim, grandes nomes como Roupa Nova, O Rappa e Michel Teló já passaram por lá. "Estamos nos preparando também para receber musicais, peças de teatro infantil nas tardes, entre outras atrações variadas", completa Marcos.



CONFORTO EM PRIMEIRO LUGAR

O palco não possui grande profundidade, mas sua boca de cena, com 30 metros de largura, é uma das maiores da América Latina, segundo seus diretores. Ele ainda é equipado com dois telões Infinity de LED, de 24 metros quadrados cada, para que todos possam acompanhar os shows e apresentações mesmo à distância. Distribuídos por todos os lados, incluindo os banheiros, 230 televisores de LED também ajudam a levar as imagens da atração da noite para os quatro cantos da casa.

Quatro grandes camarins com armários, banheiros e rápido acesso ao palco estão à disposição dos artistas. A estrutura conta ainda com 12 entradas localizadas nas laterais e mais 12 entradas exclusivas para os camarotes, evitando, assim, retenção no fluxo de pessoas. Todas as saídas de emergência foram projetadas para rápida evacuação. No mais, a segurança dispõe de 160 câmeras, com vigilância remota, espalhadas pela casa. Elas são controladas por um centro de monitoramento próprio.

No total, são 20 banheiros, 20 bares e atendimento direto na pista. "Outro problema que a gente encontrou em muitas casas pelo Brasil era o excesso de fila por conta do uso de cartelas e cartões de entrada. No final da noite, todo mundo quer ir embora ao mesmo tempo, e isso gera, nesses lugares, filas quilométricas. Aqui, o cliente compra e consome na hora. Depois fica livre pra ir para casa a hora que quiser", explica o diretor artístico.



Foram adquiridas também 1.100 toneladas de equipamentos para refrigeração, o que proporciona ao público uma climatização perfeita e extremamente confortável. "A energia da casa é alimentada por geradores de 700 à 1.000 KWA, da Mega Energia, movidos a diesel. Toda a força passa por um transformador para se adequar aos equipamentos que utilizamos", destaca o responsável técnico Alexandre Costa Mário.

ARQUITETURA A SERVIÇO DE TODOS

Os 3.500 m² de área construída são decorados com uma mistura de granito, aço escovado e porcelanato. Na parte frontal externa da casa, letreiros com LED compõem o visual. Internamente, existem níveis divididos em três áreas: a pista é construída em patamares, para que se tenha visão do palco em qualquer ponto; o mezanino, com acesso exclusivo e, por último, as três categorias de camarotes. São espaços para 10 pessoas no primeiro nível e 14 pessoas nas laterais do segundo nível, fora o camarote premium, que, com vidros escuros, comporta até 25 pessoas e fica localizado no centro do segundo nível, em frente o palco e acima da house mix.

Outra marca da casa é estar alinhada com a acessibilidade e a sustentabilidade. Os portadores de necessidades especiais podem circular por todas as áreas através de rampas e elevadores, contando com o apoio, em todos os andares, de funcionários treinados.

O bar também elimina a necessidade do uso de papel. Todos os pedidos são feitos de maneira eletrônica e até mesmo o cardápio foi transferido para telas..



SHOW NO PALCO E NA PISTA

Do ponto de vista da iluminação, o espaço também se diferencia de boa parte das casas de show e boates. A preocupação com os efeitos de luz é igualmente grande tanto no palco quanto na plateia, ou pista, como os próprios diretores se referem.

"Os jogos de luzes são responsáveis por transformar o ambiente, proporcionando uma experiência visual única. E, em breve, teremos surpresas a anunciar", afirma Fabio Cotta, diretor geral do Barra Music.



A Sunshine atua em vários seguimentos. Além de ser uma locadora de iluminação e som, possuí também parcerias com bandas e cantores. E como não poderia deixar de ser, seus técnicos estão presentes em todas estas áreas.

Alexandre Costa Mário, que trabalha tanto na Via Show quanto na Barra Music, é o que pode ser chamado de "coringa" no que diz respeito à parte técnica da nova casa. "Eu estou aqui desde o início da construção do Barra Music, sempre disponível para auxiliar os técnicos de PA, monitor e luz", destaca.



A pista da casa conta com 20 refletores DTS Beam 700, 20 DTS Spots XR2000 e 20 Martin Atomic 3000, controlados por um console Avolites Pearl 2010.

"No palco, temos 16 DTS XR9, 16 DTS 1300, quatro Martin Atomic 3000, 24 PAR LED e dez DTS Nick Wash 600, também controlados por uma Avolites 2010. Contamos com duas mesas de luz - uma para a pista e outra para o palco", lista Alexandre, destacando ainda que, no palco, há quatro linhas de 28 metros cada uma, utilizadas para cenários. Todas com talhas motorizadas.
Versão para impressão de
“ Edição #152:  Casa Noturna” Envie este artigo
para um amigo

 ARTIGOS RELACIONADOS - CASA NOTURNA
Hellooch (Edição #88 - 10/11/2006)
Miranda (Edição #154 - 23/06/2012)
Delux.e Club (Edição #113 - 16/12/2008)
NOX renova o conceito de iluminação de boates (Edição #93 - 18/04/2007)
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2018 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825