Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #113
dezembro de 2008
Índice da Edição 113
Editorial
Produtos
Destaque
EM Foco
Holofote
Pergunte AO OZ
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
EDITORIAL: Privilégio
por Elisa Menezes 16/12/2008
Uma das coisas mais legais de se trabalhar em uma revista como a Luz & Cena é conversar com os artistas que não aparecem nos palcos ou nas telas e ter acesso a seu processo criativo. Saber como um determinado resultado foi alcançado, que materiais foram usados, quais foram as referências, o que precisou ser inventado, quando foi preciso quebrar a cabeça, quando foi necessária a imaginação.

A capa desta edição é um belo (em todos os sentidos) exemplo desse conhecimento que o trabalho nos propicia. Quem vê uma minissérie como Capitu sabe que houve muito suor até o corte final, desconfia de algumas influências e tem certeza que foi necessária muita pesquisa. Mas quem tem a sorte de entrevistar o diretor de fotografia, a figurinista e o artista plástico que deram forma às idéias do diretor Luiz Fernando Carvalho, vê a minissérie com outros olhos. É extremamente prazeroso trafegar, mesmo que rapidamente, pelo universo desses criadores, ouvir seus causos, aprender.

Sou fã de Machado de Assis, adoro o romance Dom Casmurro, e fiquei muito feliz ao saber do cuidado dessa adaptação. Beth Filipecki, responsável pela indumentária, me explicou que o reaproveitamento de peças não é apenas uma questão de economia. Quanto simbolismo carrega uma saia usada por D. Glória, mãe de Dom Casmurro, que foi adaptada para que Capitu, esposa deste, a usasse? Afinal, sabemos da idolatria do filho pela mãe e de seu fascínio pela mulher.
 
Adrian Teijido, diretor de fotografia, me falou do desafio e do prazer de criar novas formas de iluminar, de fazer gobos naturais, de se adaptar às circunstâncias, de filmar em uma única locação, que deveria ser múltipla.

E como não admirar o trabalho do artista plástico Raimundo Rodriguez, que monta seu ateliê dentro do set e vai produzindo cortinas, trens, navios, perucas com matérias-primas tão "simples" como papel, cola e jornal? É Raimundo que conta o segredo: "se eu não tenho nada, tenho que fazer desse nada tudo".

Que façamos tudo neste novo ano também.

 Boa leitura!
Versão para impressão de
“ Edição #113:  EDITORIAL” Envie este artigo
para um amigo

 ARTIGOS RELACIONADOS - EDITORIAL
O Estrangeiro (Edição #119 - 15/06/2009)
O que faz um texto ser clássico? (Edição #124 - 06/11/2009)
Geléia geral (Edição #66 - 01/12/2005)
Virando a página (Edição #84 - 19/07/2007)
Show de variedades (Edição #139 - 21/02/2011)
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2022 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825