Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #110
setembro de 2008
Índice da Edição 110
Editorial
Produtos
em Foco
Holofote
Pergunte ao Oz
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
Holofote: Batata
por Manuela Cantuária 10/10/2008
foto: Arquivo pessoal
O técnico em eletrotécnica Carlos Roberto Morais Oliveira, mais conhecido como Batata, teve seu primeiro contato com a iluminação profissional na empresa Oficina da Luz, em 1998, na qual entrou como agente administrativo. Mas este não foi seu primeiro passo. O carioca, como amador, construiu diversos sistemas de acionamentos e refletores à base de parabólicos de automóveis e mesas de comando com interruptores comuns. Nessa época, quase aos 20 anos, era o responsável pela iluminação de ambientes de alguns eventos, de forma "arcaica, porém eficaz", diz. Seu interesse pela área surgiu desses ensaios amadores, e, ocasionalmente, quando ingressou em uma empresa de iluminação. Batata, hoje aos 37, não esconde a vontade de tornar-se consultor, para dar suporte e instrução a quem está se iniciando na carreira.

Formação: Me formei na ETERJ - Escola Técnica do Rio de Janeiro, em 1999. Atualmente sou técnico de manutenção elétrica e eletrônica em equipamentos de iluminação como moving lights, dimmers e mesas de luz, da Oficina da Luz. Também fiz cursos como NR10 e Autocad, entre outros voltados para outras áreas, como: logística de petróleo, administração, informática, e telecomunicações.

Preocupações na hora do trabalho: Meu estilo é sempre acompanhado de muita organização e segurança. Nós, técnicos em iluminação, nos preocupamos com o efeito e muitas vezes a falta de tempo torna-se o motivo pelo qual acontecem alguns acidentes - principalmente com elétrica. Até o momento não tive notícia de óbitos, mas sei que essa possibilidade existe.

Influências: Não tenho grandes pretensões de ser um iluminador e sim um bom consultor, oferecendo suporte logístico e operacional dentro desse meio. Atualmente estou tendo, através do iluminador Francisco Rocha, no Iatec, a oportunidade de compartilhar um pouco de meus conhecimentos com os demais profissionais iniciantes. Minha metodologia em segurança é sobre o processo de segurança, ditados pela NR10 e fiscalizados pelo CREA, órgão o qual possuo meu registro profissional.

Um iluminador: Seria injusto se eu citasse um único iluminador. Ao longo dos meus dez anos de carreira conheci grandes profissionais como Rogério Wiltgen, Peter Gasper, Zé Luiz Joels, Rogério Gomes, Naldo Bueno, Gianzinho, entre outros. Cada um tem seu estilo próprio, e dá para extrair um bom conteúdo de seus trabalhos e apresentações.

Um cenógrafo: Gringo Cardia. Não só por sua competência, mas por seu lado humano, pois criou a ONG Spetaculu, que auxilia jovens sem condições financeiras, oferecendo-lhes um caminho profissional. Sei que existem outros que agem da mesma maneira, muitos deles anônimos, e gostaria de homenagear todos esses profissionais que se dispõem a ajudar aos que precisam.

Um projeto especial: Red Bull Fighters, onde desenvolvemos um sistema de amplificação de protocolo DMX. O melhor show no qual participei, até hoje, foi o da banda Rolling Stones, no ano de 1999.

A melhor luz é aquela que... é explorada por todos os ângulos com os recursos disponíveis.

Em um projeto de luz não pode faltar... objetivo e clareza, para que a pessoa que o execute não tenha dificuldade em entender as intenções do iluminador em cada situação.

O melhor e o pior da profissão: O melhor é o espírito de equipe, a cumplicidade e as amizades que vão sendo acumuladas. O pior é que às vezes muitos profissionais, sabendo que se destacam entre os demais, passam a depreciar os outros colegas de profissão, o que para mim é o início de uma lenta decadência.

Planos para o futuro: Conseguir chegar a um patamar ao qual possa ser reconhecido e possa ajudar aos que precisarem.

Sonho de consumo profissional: Fazer uma especialização em engenharia.

Dica para quem começa: Seja um profissional completo, não apenas aquele que aperta botão. Procure conhecer bem o que faz, pois isso no futuro vai fazer a diferença.

Próximos projetos: Especializar-me no sistema de transmissão de outros protocolos de iluminação como Wireless, Artnet, entre outros e aprender mais sobre a tecnologia de LEDs, sua técnica e aplicação no mercado.
Versão para impressão de
“ Edição #110:  Holofote” Envie este artigo
para um amigo

 ARTIGOS RELACIONADOS - HOLOFOTE
Eduardo Tudella (Edição #77 - 27/11/2006)
Leandro Santiago (Edição #100 - 21/11/2007)
Márcia Moon (Edição #135 - 22/10/2010)
Felipe Sabugosa (Edição #119 - 15/06/2009)
Rodrigo Cruz (Edição #124 - 06/11/2009)
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2024 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825