Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #141
abril de 2011
Índice da Edição 141
Editorial
Novos Produtos
em Foco
Holofote
Final Cut Pro
Pergunte AO OZ
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
galeria: Outros Carnavais
Ensaio lança olhar melancólico sobre o bairro da 1ª escola de samba do Brasil
por AC Junior 26/04/2011


Circunscrito a algumas quadras do bairro, o Baixo Estácio, ao lado do Sambódromo, é o que restou da antiga Praça Onze. Com uma arquitetura do final do século XIX e início do século XX, a região é ocupada por cortiços, oficinas de carros e bares. Estas edificações, ainda que mal conservadas, mantêm vivos alguns personagens históricos que contribuíram para o surgimento do Carnaval carioca.

Durante os dias de folia, o Baixo Estácio, vizinho da passarela do samba, transforma-se com suas ruas interditadas ao trânsito, que possibilitam um autêntico feriado. Quando as primeiras batucadas entoam na avenida, é hora de botar as cadeiras, TVs e churrasqueiras na calçada, e curtir o clima de foliões chegando e partindo para o desfile oficial.

O ensaio do qual a foto acima faz parte, iniciado há dez anos e em cartaz até 23 de abril na Galeria do Ateliê da Imagem, no Rio de Janeiro, representa um olhar sobre uma cidade que esqueceu as próprias raízes. Trata-se de um olhar noturno em que a cor e o tempo estabelecem uma relação com o ser humano e seu desaparecimento.

O registro, como todo o ensaio, foi realizado com um filme Cromo Fuji Velvia 50 asa. Nenhuma luz complementar (flash) foi usada, a não ser a luz do ambiente, ou seja, a luz dos postes, bares e casas. Já a exposição da imagem, feita no Carnaval de 2000, foi de 45 segundos, com o diafragma em 16 para a obtenção da maior profundidade de foco possível. A lente, por sua vez, foi uma 35mm acoplada a uma câmera Nikon N90s.

Dessa forma, tudo o que é fixo (arquitetura, casas, etc) fica definido, e tudo o que se move (carros e pessoas, por exemplo) fica borrado ou parecendo fantasma.

AC Junior é formado em Comunicação Social e Cinema. Como fotojornalista, trabalhou em editoras e fundou a agência Foto in Cena, da qual fez parte até 2003. Após participar de inúmeras exposições coletivas, estreou sua primeira individual em fevereiro último. Premiado, tem fotos publicadas em livros e no acervo de instituições e colecionadores.
Versão para impressão de
“ Edição #141:  galeria” Envie este artigo
para um amigo

 ARTIGOS RELACIONADOS - GALERIA
Lua de mel na Cidade da Luz (Edição #134 - 28/09/2010)
O pagamento do tributo (Edição #129 - 12/04/2010)
A dor e a inquietude de Jean Michel Basquiat (Edição #161 - 09/12/2012)
Cidade de papel e luz (Edição #109 - 22/08/2008)
O 'olhar surdo' de Robert Wilson (Edição #84 - 19/07/2007)
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2020 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825