Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #117
abril de 2009
Índice da Edição 117
Editorial
Em Foco
Produtos
Destaque
Holofote
Coluna Oz
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
Galeria: Novas paisagens
por Cláudia de Bem 07/04/2009
foto: Fábio Del Re
Através de filtros corretivos de cor, a artista Lúcia Koch cria atmosferas diferentes
Em maio de 2008, Porto Alegre ganhou nova paisagem à beira do Guaíba. Uma linda edificação toda de concreto branco projetada pelo arquiteto português Álvaro Siza dá ares de contemporaneidade à cidade: a Fundação Iberê Camargo.

É impossível passar pela frente sem admirar o prédio e estar dentro e não observar a paisagem externa. Uma obra arquitetural onde o ambiente externo e interno conversam entre si, tudo está integrado. O projeto é ambientalmente responsável e 100% automatizado, com um sistema de iluminação programável de alta tecnologia. A luz natural proveniente das suas aberturas e clarabóias superiores é complementada pela luz artificial difusa e homogênea com lâmpada fluorescente branca. A iluminação reafirma a amplitude espacial da edificação. A sensação é de que a luz incidente é uma só.

Além de abrigar um acervo permanente das obras do artista plástico Iberê Camargo, o espaço recebe exposições itinerantes. No fim de 2008 até março deste ano, a Fundação recebeu a exposição Lugares desdobrados, das artistas Elaine Tedesco, Karin Lambrecht e Lúcia Koch. Três trabalhos que trazem propostas de relação com o espaço e seu desdobramento.

Como iluminadora, me chamou atenção em especial o trabalho de Lúcia Koch, que usa como matéria-prima a luz. Através de filtros corretivos de cor (CTO e CTB) instalados nas claraboias do último piso, sutilmente, a artista propôs diferentes atmosferas. Nas rampas de circulação, chapas de acrílico coloridas fixadas nas aberturas recriavam as janelas e um novo olhar sobre a paisagem. Um interessante trabalho de interferência no espaço onde a percepção visual não era fixa, se movimentava. A cada momento, a incidência de luz se alterava e a experiência se modificava. Eu mesma tive a oportunidade de voltar algumas vezes em diferentes horários e vivenciar essa experiência. Em cada visita mudava  a minha percepção daquele espaço.

 "... proponho alterações temporárias, pensando na instabilidade das coisas" - Lúcia Koch

Cláudia de Bem é diretora e iluminadora cênica
Versão para impressão de
“ Edição #117:  Galeria” Envie este artigo
para um amigo

 ARTIGOS RELACIONADOS - GALERIA
A riqueza do tear de Villela (Edição #101 - 18/12/2007)
Luz preguiçosa (Edição #111 - 17/10/2008)
Vestindo edifícios (Edição #110 - 10/10/2008)
Fotografia artesanal (Edição #138 - 12/01/2011)
Lua de mel na Cidade da Luz (Edição #134 - 28/09/2010)
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2020 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825