Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #97
agosto de 2007
Índice da Edição 97
Editorial
Produtos
Destaque
EM Foco
Holofote
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
HOLOFOTE: Fábio Jucá
por Tatiana Queiroz 10/08/2007
Amigo dos então rodies da banda Biquini Cavadão, Fábio Jucá ficou cerca de um ano ajudando na montagem do cenário dos shows do grupo. Ele tinha 19 anos e se encantou com o trabalho do iluminador Alexandre Correa, que integrava a equipe da banda na época. "Então pensei: 'Quero aprender e fazer isso para o resto da vida. Comecei a operar o canhão e a participar das montagens", lembra o iluminador carioca.

No fim da década de 90, Jucá entrou profissionalmente no meio, como assistente de iluminação de Thomas Hirtt nos shows do grupo O Rappa. "Fiquei uns 3 anos. No primeiro ano, eu só olhava durante o show. Depois, o Thomas me deu a responsabilidade dos refletores do palco, cenário e platéia. Tinha que ter muita sincronia porque eram duas mesas", conta Jucá.

Pouco tempo depois, ele recebeu outro convite. Wellington Soares, percussionista do Eletrosamba, queria que o amigo fizesse a luz dos shows do grupo carioca "Daí para frente, tudo aconteceu muito rápido", revela.

Fez a luz dos shows do cantor Bebeto; do grupo de Marcelo Yuka, o F.U.R.T.O.; da peça TV Temas, dirigida por Guilherme Maço; do desfile da Totem na Semana de Moda de 2004, entre outros projetos.

Seus mais recentes trabalhos foram a turnê Essa boneca tem manual, de Vanessa da Mata, os shows de Gabriel Moura, Luka e do projeto 4 cabeça, que reuniu os cantores Luis Carlinhos, Baia, Rogê e Gabriel Moura.

Aos 32 anos, ele assina a luz das novas músicas do show Autoral, de Danni Carlos e se prepara para a excursão que Vanessa da Mata fará por Portugal e Nova Iorque para lançar seu mais recente disco, Sim.

Formação: Minha formação principal foi na estrada, na marra mesmo. Absorvi o máximo de informação das pessoas que passaram pela minha carreira. Fiz os cursos básicos da GE, de interiores e fachadas, de iluminação cênica no Iatec e o curso básico de luz para teatro, no teatro Bibi Ferreira.

Como é o seu processo de criação? Gosto de analisar o layout do projeto a ser realizado: tema, cores, letra etc.

Intuição ou pesquisa? Intuição.

Influências: Pink Floyd.

Um cenógrafo: Zé Carratú (SP).

Um iluminador: Thomas Hirtt (RJ).

Um projeto especial no qual já tenha trabalhado? Evento de lançamento do Brazilian Film Festival of Miami e do Cine Fest Petrobras/ NY, ambos realizados em 2007 no Brasil.

A melhor luz é aquela que... faz a diferença.

O que não pode faltar em um projeto de luz? Depende do tipo de projeto...

Qual é o melhor e o pior da profissão? O melhor é a ausência de rotina e o pior são as noites sem dormir.

Planos para o futuro: Estudar muito e continuar na estrada.

Sonho de consumo profissional: Ligar meu laptop na mesa Pearl.

Dica para quem começa: Esteja sempre no meio buscando informação e não negue nenhum tipo de trabalho.
Versão para impressão de
“ Edição #97:  HOLOFOTE” Envie este artigo
para um amigo

 ARTIGOS RELACIONADOS - HOLOFOTE
Batata (Edição #110 - 10/10/2008)
Rodrigo Silva (Edição #120 - 06/07/2009)
Luelí Antunes (Edição #126 - 14/01/2010)
Dante Belutti (Edição #102 - 21/01/2008)
Pablo Enriquez (Edição #115 - 10/02/2009)
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2020 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825