Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #104
março de 2008
Índice da Edição 104
Editorial
Produtos
Destaque
EM Foco
Holofote
Galeria

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
HOLOFOTE: Marcos Franja
por Tatiana Queiroz 14/03/2008
Ele começou no teatro, mas, atualmente, tem se dedicado a iluminar shows e exposições. Aos 40 anos, o paulista Marcos Franja está na equipe da turnê Fome de tudo, da Nação Zumbi, para quem cria e opera a luz desde 2001. É também o autor do projeto de luz dos shows que Yamandu Costa e Hamilton de Holanda fazem juntos. Quando não está com a banda pernambucana, ele ilumina as apresentações da cantora Fernanda Porto.

O trabalho de Franja também pode ser visto pelos apreciadores das artes plásticas. É dele a autoria dos projetos de iluminação de algumas das exposições que recentemente passaram por museus brasileiros, como a Novo olhar, de Amélia Toledo, e Emanoel Araújo - Autobiografia do gesto no Museu Oscar Niemeyer de Curitiba; O Benin, ancestralidade e contemporaneidade no Museu Afro Brasil e Os cinéticos no Instituto Tomie Ohtake em São Paulo, eleita a melhor exposição de 2007 pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA).

O caminho de Franja na área de iluminação começou a ser trilhado na casa de shows paulista Dama Xoc. O primeiro trabalho profissional na área foi em 1994, como técnico de luz da peça Futebol, dirigida por Bia Lessa e com iluminação de Guilherme Bonfanti. A partir de então, passou a trabalhar em algumas peças iluminadas por Bonfanti, como as montadas pelo grupo Tapa e O livro de Jó, do Teatro da Vertigem.

Além de viajar pelo país operando a luz de alguns shows, Franja trabalha no novo projeto de luminotécnica do teatro Sérgio Cardoso em São Paulo.

Formação: Técnico em Eletromecânica pela Escola Técnica Estadual Getúlio Vargas. Cursos: Luz para sobrevivência e Fontes geradoras de luz no Litec Philips

Como é o seu processo de criação? Eu tento partir da interpretação da obra, seja musical, encenada ou pintada. Desenvolvo algumas idéias solitárias para retratar aquela obra ou situação. Após o meu amadurecimento inicial, vou buscar subsídios junto ao artista, material gráfico, figurino, tipo de maquiagem, à cenografia etc..

Intuição ou pesquisa? Ambos, em doses que variam de projeto para projeto.

Influências: Os pintores e seus repertórios infindos de luz e sombra.

Um iluminador: De teatro, Guilherme Bonfanti e, de show, Marcos Olivo.

Um cenógrafo: Marcos Pedroso

Um diretor: Antônio Araújo

Um projeto especial? Cada projeto é como um filho, difícil de escolher o mais especial. Tenho um carinho especial pelo espetáculo O livro de Jó, onde conheci minha mulher, além de ter viajado para muitos lugares do mundo.

A melhor luz é aquela que... é adequada à obra, sem delírios pessoais.

O que não pode faltar em um projeto de luz? Conceito.

Qual é o melhor e o pior da profissão? A diversidade e a dinâmica da profissão se encaixam bastante comigo. Ultimamente, o pior tem sido os aeroportos.

Planos para o futuro: Me aprofundar no estudo da fotografia e tentar me aproximar do cinema.

Sonho de consumo profissional: Um sistema de Catalyst com um set de DL.2.

Dica para quem começa: Observe, se dedique e tente acompanhar o trabalho de profissionais que admira.
 
Versão para impressão de
“ Edição #104:  HOLOFOTE” Envie este artigo
para um amigo
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2020 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825