RSS Facebook Twitter Blog
Revista Luz & Cena
Técnicas de Estúdio
Compressão paralela
Melhorando mixagens (e masterizações) com uma técnica tradicional
Alexandre Cegalla
Publicado em 9/1/2012 - 14h49
Quem, durante a mixagem, nunca percebeu que determinado instrumento ou trilha soava "magra" demais ou até "pequena", mesmo estando com um bom nível de volume em relação aos outros canais? "Encorpar", "engordar", "deixar mais cheio" são algumas expressões que descrevem o que desejamos modificar no som, nesse tipo de situação, sem necessariamente deixá-lo mais alto. Isso é algo mais comum do que se imagina, e muitos renomados engenheiros de som recorrem a uma técnica antiga, mas que continua sendo eficaz para dar mais corpo, peso e punch aos instrumentos na mix, sendo usada também em masterização: a compressão paralela.

Também conhecida como "New York Trick", a compressão paralela basicamente consiste em tocar simultaneamente dois sinais de áudio iguais - um sem compressão (sinal "dry") e o outro com bastante compressão (sinal "wet"), com as saídas de ambos indo para o mesmo mix bus ou submix. O compressor pode ter um ratio elevado (em torno de 10:0:1, por exemplo) e o threshold costuma ser baixo, a fim de tornar o efeito da compressão bem evidente (o make up gain ou output do compressor também deve ser aumentado para compensar a redução de decibéis que ocorre). Caso seja preferível uma compressão mais "transparente", uma dica é reduzir o ratio e/ou subir o threshold. De qualquer forma, o volume da trilha com o sinal com compressão geralmente é mais baixo do que o da trilha com o sinal sem o efeito. Em algumas variantes dessa técnica, também é inserido um equalizador no canal auxiliar, antes do compressor, com um alto ganho de dBs nos graves. Isso fará o compressor "reagir" aos graves e aumentar o peso do instrumento.

Tocada sozinha, a trilha com o sinal wet geralmente soa excessivamente comprimida, cheia de artefatos no áudio e com oscilação de volume. Ou seja, ela vai soar horrível. Porém, uma vez tocada junto com a trilha sem compressão, em torno de 10 dBs mais baixa, o som gerado pelos sinais dry e wet combinados vai ficar bem mais cheio e presente, sem implicar num aumento considerável de volume. "Mas não basta pôr um compressor no insert do canal com sinal dry e ajustá-lo até soar bem?", muitos perguntariam. Sim, claro que pode. Porém, a vantagem da compressão paralela é que, ao mesmo tempo em que preserva os transientes (presentes no sinal dry, sem compressão), ela deixa o som mais encorpado e com mais "pegada". Sua bateria, bumbo ou baixo, por exemplo, soarão mais cheios e pesados sem, contudo, perderem o ataque. Se o seu compressor, seja hardware ou plug-in, tiver um "mix control" (que ajusta a porcentagem do sinal wet, ou seja, comprimido, em relação ao sinal dry), fica mais simples ainda: basta colocá-lo no insert da trilha com o sinal dry e ajustar o nível de compressão a gosto, deixando, por exemplo, o mix control do sinal wet em 20%.

MAIS ATITUDE
O primeiro exemplo de como a compressão paralela pode melhorar a sua mixagem está na bateria de nosso exemplo 1 (MP3 da bateria "dry" em http://tinyurl.com/batdry e da comprimida em http://tinyurl.com/batcompr). As demonstrações foram feitas no Logic, mas a ideia pode ser aplicada em qualquer DAW ou mesa de som, bastando que essa tenha canais auxiliares. Repare como a caixa original soa fraca e o bumbo sem peso na versão "bateria_dry". Mandamos, então, uma cópia dos sinais da caixa, bumbo e toms (eu, pessoalmente, não gosto de muita compressão nos pratos, por isso os deixei de fora) para um canal auxiliar através do Bus 1, pré-fader. O procedimento é igual ao que faríamos com um reverb, por exemplo. Colocamos um compressor no insert do canal auxiliar. Ajustamos o ataque em 15.5 ms para deixar uma parte dos transientes passarem sem serem comprimidos, release em 23 ms, threshold em -39 dBs, ratio em 10:1, knee em 0 e o gain em 6 dB.


O compressor do Logic ainda tem a opção "soft distortion" (que é acessada clicando-se na aba abaixo e à direita), que foi selecionada para aumentar a saturação. O canal auxiliar está cerca de 10 dB mais baixo do que as trilhas originais. Todos são mandados para o mesmo mix bus. O resultado, na versão "bateria_comp", é uma bateria encorpada, com mais presença (a esteira da caixa aparece bem mais) e ambiência, que é trazida à tona pelo rápido release. Experimente também inserir um equalizador antes do compressor no canal auxiliar e dar um ganho de 16 dB em 60 Hz (nesse exemplo, foi usado um filtro "bell-shape" com Q de 0.98). Seu bumbo vai soar como se pesasse uma tonelada! Se quiser deixar a bateria com ainda mais "pegada", deixe o canal auxiliar apenas 1 ou 2 dB abaixo das trilhas originais. A compressão fica mais evidente e a oscilação dos níveis de sinal - também chamada de "pumping" ou "breathing", em inglês - deixa a levada da bateria com mais "groove".

PREENCHENDO ESPAÇOS
Se você deseja apenas encorpar o som de uma peça da bateria e manter o resto do kit como está, basta mandar apenas o sinal dessa trilha para o compressor no canal auxiliar e ajustar a gosto. No exemplo 2, aplicamos a compressão paralela apenas no kick desta música eletrônica. Na versão "techno_dry" (http://tinyurl.com/technodry - sem compressão paralela), o bumbo se perde no meio dos sintetizadores e outros instrumentos e mal é possível escutá-lo. Por causa disso, a música em geral aparenta carecer de graves. O procedimento é o mesmo: mandamos uma cópia do sinal para o auxiliar "kick comp", que tem o compressor no primeiro insert, e fizemos o seguinte ajuste: ataque em 89 ms, release em 5 ms, ratio em 2.5:1, knee em 0.7, threshold em -28 dB, e gain em 8 dB. Logo embaixo está inserido um equalizador com low pass em 160 Hz (12 dB por oitava), a fim de aplicar a compressão apenas nas frequências graves. Escutando a versão "techno_comp" (http://tinyurl.com/technocomp), o kick soa muito mais cheio, pesado e preenche mais os graves. Ao analisar e comparar as duas versões, a impressão é a de que havíamos desligado o subwoofer quando escutamos a "techno_dry".


Mas não é só em bateria e percussão que podemos aplicar a compressão paralela. No exemplo 3 temos um baixo soando "magro" ("baixo_dry" - http://tinyurl.com/baixodry). Mandamos uma cópia do sinal para o canal auxiliar 2 (nomeado "bass comp"), onde inserimos o compressor UAD 1176LN. Ajustamos o input (funciona como threshold nesse compressor) em -13, output em -12 , ataque em 47 ms e release em 70 ms (os controles na interface do plug-in mostram outros valores para os parâmetros, mas se você clicar em View, no alto e à esquerda, ele mostra os valores exatos). Para o ratio, selecionamos todos os botões (shift + click) para emular a técnica "all-button mode", que gera uma compressão bem agressiva. Em seguida, inserimos o iZotope Trash e usamos um simulador de alto-falante com um pouco de distorção para deixar o baixo com mais punch. Na verdade, qualquer plug-in que simule amplificadores de baixo e tenha overdrive pode servir. Finalmente, pusemos um equalizador no terceiro insert com um low pass em 2 kHz, pois não queremos que a compressão afete os agudos e deixe o baixo com muito brilho. Resultado final ("baixo_comp" - http://tinyurl.com/baixocomp): além de ganhar presença, o baixo ficou muito mais cheio. Dependendo do seu estilo, se você achar o som um pouco "anasalado", reduza alguns dBs em torno de 300 Hz a 400 Hz no equalizador do canal auxiliar.



DISTORÇÃO PARALELA
Outros efeitos, além da compressão, também podem ser usados em paralelo. No exemplo 4, usamos distorção paralela em um vocal de hard rock, que ficou mais expressivo e ganhou destaque na mix. Na versão "voz_dry" (http://tinyurl.com/vozdry), o vocal soa pequeno e apagado em relação aos instrumentos. O procedimento usado foi o mesmo: o subgrupo dos vocais ("vox bus") é mandado para um canal auxiliar onde está inserido o iZotope Trash. Como no exemplo do baixo, qualquer plug-in de overdrive ou simulador de amplificadores pode servir.

Se escutarmos apenas o canal auxiliar com a distorção, parece que o vocalista está cantando com um megafone quebrado. Mas o objetivo aqui é encorpar o vocal e dar-lhe mais destaque na mix. A quantidade de distorção e a opção de usar ou não um simulador de alto-falantes fica a critério do engenheiro de som. O ideal é seguir os seus ouvidos e ajustar de acordo com o que você acha que soe melhor, pois, provavelmente, cada música vai necessitar de uma regulagem diferente. Colocamos ainda um equalizador após o iZotope Trash e reduzimos os graves em alguns dBs para dar-lhe um pouco mais de definição. O resultado pode ser conferido em http://tinyurl.com/vozcomp.


MASTERIZAÇÃO

A compressão paralela também pode ser usada em masterização. Em seu livro Mastering Audio: the Art and the Science, o renomado engenheiro de masterização Bob Katz afirma usar essa técnica para encorpar o som e aumentar os níveis de sinal em passagens mais suaves sem precisar recorrer à automação de volume. O ideal é sempre levar suas mixes para um engenheiro especializado em masterização (ele geralmente vai ter muito mais experiência nessa técnica, além de equipamentos especializados), porém, se você desejar experimentar com suas próprias produções, basta fazer o bounce da mix inteira e importar o arquivo gerado num projeto novo. Em seguida, você manda a cópia do sinal para um canal auxiliar e aplica a compressão, da forma como fizemos com trilhas separadas e submixes.

Como dissemos anteriormente, existem várias maneiras de encorpar ou aumentar o peso de um instrumento ou voz: há, por exemplo, equipamentos como o Little Labs Voice of God (também disponível em versão plug-in), que aumentam os graves de uma maneira única e podem ser usados para dar mais peso a um bumbo ou a um baixo ou capturar a ressonância do tórax de um vocalista ou locutor para aumentar o efeito de proximidade. Mas a compressão paralela continua sendo uma técnica testada e comprovada, e cujas aplicações, como acabamos de ver, são muitas e em diferentes estilos de música.


Exemplos de processamento no vocal: cortesia da banda Hard Box (www.hardbox.blogger.com.br), de Rio Branco do Sul (PR).
.
Alexandre P. Cegalla atua como engenheiro de som há mais de dez anos e já produziu artistas no Brasil e no exterior. É proprietário do Studio Bunker, em Curitiba (www.studiobunker.com.br).
 
Conteúdo aberto a todos os leitores.