Luz & Cena
LOGIN e-mail
senha
esqueceu sua senha? Clique aqui para se
cadastrar na M&T As novidades da L&C em seu computador
gravar senha

Edição #147
outubro de 2011
Índice da Edição 147
Destaque
Galeria
Final Cut
Direção de Fotografia
Pergunte ao Oz
Em Foco
Produtos

Cadastre seu e-mail e
receba nossa Newsletter
As novidades da L&C em seu computador
Pergunte ao Oz: História
por Osvaldo Perrenoud 19/10/2011
Segue a pergunta que não quer calar: qual será o papel do lighting designer nos próximos 50 anos? Fui à Plasa, em Londres, e não obtive resposta... Nobody knows.

Fiquei extremamente feliz pelo resultado da Lighting Week Brasil, pelo alto nível das palestras e a massiva participação dos colegas e iniciantes, futuros representantes da iluminação cênica em nosso país. O caminho é longo, pero "caminantes no hay caminos, los caminos se hacen al caminar".

Lembrei-me da minha praça sem caminhos. Não é mais fácil fazer praças sem caminhos, mas totalmente gramadas, que deixem as pessoas que por ali circulam, no vai-e-vem diário, decidam por onde transitar? Quando começar a aparecer a terra por baixo da vegetação, poderíamos, aí sim, fazer os caminhos.

Mas, enquanto isso, em Gotham City...

Por aqui, os neutrinos podem ser mais velozes que a luz. E = mc² no lixo? Nóóóóóssa. Para mim, isto foi uma deixa, uma luz entrando em cena como num flash. Tudo pode mudar em um átmo, só o que não muda são os carrinhos da Atma, pois a Atma é ótima!

Então mudemos!

Nos últimos quatro anos, além de minhas atividades profissionais, escrevi esta coluna para os leitores da Luz & Cena. Fiz isto contando com o auxílio das perguntas de vocês. Muito Obrigado. Seguirão aqui e nas edições anteriores, impressas em papel, para a posteridade.

Decidi que é chegada a hora de dar lugar a um colega querido, escolhido a dedo (sem trocadilho algum). Sinto-me tranquilo por saber que deixo os leitores em ótima companhia.

Seja bem-vindo, Farlley Derze. Em seu currículo, temos: professor de História da Iluminação no Curso de Pós-Graduação em Iluminação e Design de Interiores do Instituto de Pós-Graduação [IPOG] e doutorando em Teoria, Crítica e História da Arte e do Ambiente Construído pela Faculdade de Arquitetura da Universidade de Brasília.

Diga aí, Farlley!

"Contar uma história é uma das experiências mais fascinantes. Quando somos crianças, cada história é uma novidade, uma experiência para nossa memória e nossa imaginação. Cada contador de história tem seu estilo, onde o início e o fim são surpresas para cada ouvinte. A descrição das personagens faz com que uma 'espécie de teatro' se instale dentro da mente. Sim, a mente foi o primeiro espaço teatral.

Nesse espaço teatral, muitas histórias foram repassadas, contadas de boca em boca, de geração em geração, dos povos ancestrais até as ouvirmos de nossos avós e pais. Uma espécie de rito oral que não chegou a ser substituído quando foram inventados os símbolos e desenhos que deram origem aos diversos alfabetos. Ou seja, quando nasceu a escrita.

Assim, muitas histórias passaram a ser narradas também em pedaços de argila, pergaminhos e folhas de papel, como nos livros, nas revistas, nos jornais. Aliás, mais recentemente tornou-se possível escrever sobre uma nova superfície - a tela iluminada de um computador."

Ficou curioso, não é? Eu também.

O imponderável ocorreu: é com pesar que anuncio o falecimento temporário do Seu Zé das Côve. Mas é assim mesmo. Tudo na vida é passageiro, menos o motorista e o cobrador.

Está na hora de eu correr para o mar. Quero praia! A partir de agora, ficarei procurando todos os meses o meu exemplar na caixa dos correios.


Osvaldo Perrenoud é iluminador, diretor de fotografia e professor
do Instituto de Pós-Graduação (Ipog).






 

 
Versão para impressão de
“ Edição #147:  Pergunte ao Oz” Envie este artigo
para um amigo
Luz & Cena © Copyright 2000 / 2020 - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade
Est. Jacarepaguá, 7655 salas 704/705 - Rio de Janeiro - RJ CEP: 22753-900 - Telefone: 21 2436-1825